quinta-feira, 11 de junho de 2009

Portugal laranja: novo fôlego

Até Domingo passado, ninguém dava crédito ao PSD e à direcção de MFL - hoje, a maioria absoluta do PS está fora de questão e a vitória do PSD nas legislativas é algo por que vale ainda mais a pena lutar.
A senhora por quem ninguém dava nada, que até Domingo era ridicularizada por tudo e todos, que ninguém levava a sério, hoje é vista como uma pessoa determinada, que quando encontra uma boa solução (ou um bom candidato) luta contra ventos e marés para que o seu projecto singre. Não se condiciona por sound bites. MFL mostrou ser forte, determinada e uma verdadeira líder.
O PSD apareceu nos jornais de segunda-feira logo com um crédito que há muito não se via - o PSD e os Portugueses vivem um momento de reaproximação.
Para além da imensa derrota do PS de Sócrates (que perdeu 5 eurodeputados e obteve pouco mais de 1/4 dos votos quando tem maioria absoluta na AR), houve também uma derrota das políticas socialistas pela Europa fora. Onde o PS era Governo, ganhou a oposição; onde o PPE era Governo, ganhou o Governo. Ou seja: estas eleições não foram simplesmente votos de protesto contra os Governos; foram votos de oposição às políticas de esquerda e de fortalecimento da Direita.

8 comentários:

João Quartilho disse...

Meus amigos está na cara quem ganhou as eleições não foi Manuela Ferreira Leite mas sim Paulo Rangel embora ela e a sua Direcção tenha o proveito justo.

Não foi ela que debateu com Vital Moreira, não foi ela que esteve nas arruadas.

Não nos iludamos! MFL não serve para dirigir o país!

InêsMR disse...

Como li em qualquer lado, MFL passou de besta a bestial numa noite. Veremos o que sucede..

João Quartilho disse...

Não o é. Não foi ela que ganhou as eleições aliás ela ate evitou o mais possível campanha com Rangel.

Gustavo "Che" Gouveia disse...

A senhora por quem ninguém dava nada limitou-se a selecionar um bom candidato, talento que José Sócrates não mostrou. Mas tal não muda a realidade dos factose e efectivamente, seja qual for o resultado, ninguém dá nada pela senhora porque ela não vale nada

AP disse...

Uma coisa é certa, diga-se o que se disser, MFL é uma pessoa integra, não está envolvida em escandâlos nem em casos manhosos. Tem cabeça e mostrou ser capaz de tomar decisões dificeis, contra ventos e marés, e no fim, triunfar, assim extrapolando para um plano legislativo, quem sabe se não conseguirá tomar decisões - algumas dificeis, é verdade - que coloquem Portugal no caminho do desenvolvimento que proporcione à maioria dos portugueses uma melhor qualidade de vida do que a actual.
A vitória também é em parte dela, pois quem votou PSD, votou à frente do símbolo PPD/PSD, partido este, gerido por MFL. Ou seja, quem votou PSD sabia bem quem era a líder e pelo menos reconhecia-lhe algo de positivo, que poderá ter influenciado na decisão de voto, a escolha de um bom cabeça de lista, Paulo Rangel que arrasou com a dupla Vital Moreira/Sócrates.
Tal como o António diz, passou a existir um "novo fôlego" no velho país à beira-mar plantado.
Disse.

Gustavo "Che" Gouveia disse...

repara que fui condescendente na minha analise. O segundo lugar do PSD (perdendo largamente para a brutal abstenção) não é uma pseudó-vitória para o partido mais votado, mas sim uma grande derrota para o partido do governo. Sou o primeiro a considerar Rangel um excelente candidato, mas nem ele nem o PSD ganharam estas eleições, mas foram sim Vital Moreira e sobretudo o Partido Socialista quem as perdeu. Não te esqueças que Vital não é candidato nas proximas legislativas. Nem tão pouco Paulo Rangel

ASL disse...

O simples facto de saber escolher o candidato mais adequado já faz de MFL uma líder com valor. Aliás, um dos grandes problemas dos primeiros-ministros é não se saberem rodear pelos melhores, e com actos destes MFL vai mostrando que sabe seleccionar os melhores, apostar neles a fundo e não se guiando ao sabor do vento, o que faz da presidente do PSD uma mulher forte e determinada.

Gustavo "Che" Gouveia disse...

Sabes o que achei mais piada? Ter visto uma entrevista a Rangel, onde lhe perguntaram se ele era candidato à liderança do PSD num futuro próximo.

Repara só: se o resultado tivesse sido miserável para o PSD, responsabilizavam MFL quase decerteza. Mas como o PSD obteve um bom resultado porque (entre outras coisas, claro) MFL escolheu um bom candidato, então a pergunta é quando é que o candidato, já que é um bom candidato, toma o lugar de MFL!

Já viste a descrença que a opinião publica tem nela? Talvez porque ninguém acredita que ela, enquanto candidata, tenha um resultado sequer próximo do de Rangel! Porque ninguém acredita que ela venha a ser Primeira-ministra!