sábado, 16 de maio de 2009

Haja responsabilidade!

Coisa rara: foi possível ouvir vozes responsáveis vindas da direcção da bancada parlamentar do PS!
Só Pedro Nuno Santos para ter a peregrina ideia de distribuir preservativos nas escolas secundárias! Em boa hora, Maria de Belém e José Junqueiro vieram colocar as suas reservas a essa proposta. Como ironizou José Junqueiro, achará Pedro Nuno Santos que como se distribui preservativos no Carnaval do Rio de Janeiro se pode fazer o mesmo com miúdos de 15, 16, 17 e 18 anos (e mais, nalguns casos)?
Por que será que a tónica comum das propostas do PS passa não por ir à raiz dos problemas mas sim por oferecer a solução final e mais fácil? Qual a lógica de aprovar uma proposta de educação sexual nas escolas quando o princípio que lhe subjaz é o facilitismo e não a responsabilidade?

1 comentário:

FJ disse...

O GRANDE Maio de 68 não teve só por tentativa uma revolução educacional e politica mas também, de implementar formas novas na sociedade de obter prazer, uma delas, o sexo sem tabus.
Penso que não seja facilitismo, quando se dá preservativos na escola, mas sim uma medida de prevenção, pois o preservativo previne em 99% as DST, como também se trata de uma medida social pois na área da minha escola(como em muitas outras) existem famílias que o dinheiro está contado, não terão elas também direito ao prazer?
As aulas de Educação Sexual iram estar brevemente no programa escolar, mas enquanto tal não acontece vale a pena ir a raiz dos problemas e distribuir meios que permitam que os jovens portugueses possam ter relações sexuais com quem quiserem(pois são livres)sem tabus, e com a devida protecção.
Agora não podemos levar ao ponto do Conservadorismo e observar as coisas de um ponto de vista dogmático, pois a progressão faz-se com inovação, não com estagnação, pois caso fosse estaríamos estagnados no tempo, seriamos uma sociedade amorfa.
Voltando ao "bendito" Papa Pio XVI, quando diz que os métodos contraceptivos só contribuem para a proliferação da SIDA entre outras DST, vá é um homem que ao dizer esse tipo de coisas não choca por várias razões, mas quando um jovem alimenta uma ideia similar, um jovem que tem todos os meios para contribuir para uma progressão das mentalidades, prefere viver como se estivéssemos numa sociedade fechada, é um choque e vejo que se tal for a tendência da sociedade Portugal não irá progredir nem nos próximos 10 nem 20 anos.
Mas como dizia Voltaire:
-"Posso não concordar com o que dizeis, mas defenderem até à morte o direito a dizê-lo."

Cumprimentos, FJ.