segunda-feira, 19 de maio de 2008

A relação qualidade/preço do Estado

A partir de hoje, os Portugueses vão começar a trabalhar para si próprios. Isto é, até hoje tudo o que os Portugueses receberam foi para pagar o montante respeitante aos seus impostos! Até meio do quinto mês do ano, portanto.
.
Na Suécia, o chamado Dia da Libertação dos Impostos dar-se-á algures em Junho. Escandaloso? Talvez, mas só se for pela política que lhe está subjacente... Na verdade, naquele país, os impostos asseguram aos cidadãos todos os cuidados de saúde, acesso igual à instrução, transportes para a escola, reformas, assistência social, etc.. Tudo gratuitamente!
.
Enfim, poderá ser discutível se é saudável o Estado ter uma função tão paternalista como na Suécia, mas uma coisa é certa: os contribuintes vêem os seus impostos bem aplicados e o dinheiro que pagam justificado!
.
Em Portugal, trabalha-se até meados de Maio para ter listas de espera infindáveis nos hospitais públicos, uma reforma incerta, um sistema de educação não muito favorável, transportes cujo custo aumenta constantemente (acaba-se de saber que o Governo pondera aumentar o preço dos transportes a partir de Julho)...
.
No limite, reconheço que é coerente cobrar tantos impostos como na Suécia mas o Estado assegurar tudo aquilo a que se compromete. Mas será lógico pagar uma fortuna em impostos para depois, não raras vezes, ter de se recorrer (quando se pode) ao sector privado nas mais variadas actividades? Pagar em duplicado porque o Estado não cumpre a sua parte?
.
E perguntamo-nos: que respostas dá o Governo a esta problemática?
.
Nenhuma! Quando se paga ao Estado para cumprir - pelo menos - as suas funções essenciais, este nada faz.
.
Na Saúde, há umas semanas, ao fim de três anos de Governo, o PM vem dizer que é "lamentável" a situação das listas de espera nos hospitais e que é uma situação a estudar para que se possa apresentar propostas! É um ESCÂNDALO! Como já aqui alertei, como tem um homem o descaramento de ao fim de três anos de Governo ir à AR dizer uma barbaridade destas? Andam os Portugueses há anos à espera que chegue um Governo que resolva este problema e tem um governante o desplante de proferir tamanho insulto à dignidade e honra humanas? Note-se: só quando veio à "praça pública" a questão das viagens a Cuba para operações oftalmológicas é que o Governo reagiu às listas de espera! Bem-hajam, autarcas deste País!
.
Na Educação, dá-se primazia à política dos rankings, das estatísticas, da via mais facilitista para melhorar a posição de Portugal na cena internacional quanto ao número relativo de Portugueses com o 12º ano terminado! O programa Novas Oportunidades é, para mim, uma vergonha nacional e uma palhaçada autêntica, em que se instrui por decreto!
.
No Emprego, o Governo regozija-se com a diminuição da taxa de desemprego (isto é, o número relativo de Portugueses inscritos nos centros de emprego). Isto na véspera de o INE vir anunciar que dezenas de milhares de portugueses abandonaram os centros de emprego: ou por desistência ou por recusarem sucessivamente empregos. Independentemente disso, o lamentável é que a situação não está a evoluir a olhos vistos.
.
Diria que estas são as três mais graves questões neste momento. E o que faz o Governo? Anuncia pontes, estradas, etc. Grandes obras públicas! Tudo em grande; contrário à situação do País! É absolutamente nojento e vergonhoso (repito: nojento e vergonhoso) ver que o Governo gastou 50.000€ na cerimónia do anúncio público do novo Hospital de Faro!
.
O que mais me assusta é que o PSD, para cumprir a imperiosa e patriótica missão de retirar o eng. Sócrates do Governo, terá de ter, para além de uma figura de grande confiança e credibilidade, uma fortíssima máquina de marketing para face à estratégia imparável do eng. Sócrates. E isto começa a deixar de ser política, mas sim mera concorrência entre produtos!

5 comentários:

Anónimo disse...

a fotografia nao o favorece.. ate parece um senhor..

Daniela disse...

também de salientar que como em países como a Suécia, devido a essa mesma forma como os impostos são retornados aos trabalhadores em forma de serviços e de cuidados de saúde e educação totalmente gratuitos e de qualidade, os cidadãos desses países têm muito menos motivos para fugir aos impostos, aumentando a receita do Estado. em Portugal, todos os que podem, tentam arranjar forma de pagar menos ou de não pagar.

ASL disse...

Absolutamente! É a ordem natural das coisas: quando compramos um dado produto e ele não nos é entregue em condições ou nem sequer entregue reclamamos. Neste caso, perguntamo-nos: que é feito ao nosso dinheiro?

l.romao disse...

Assino por baixo, ASL.

jcs disse...

CONCLUSAO: Reconheçamos isto e tomemos medidas de acordo - liberalização do mercado!!! Já é tempo que todos percebermos que o Estado Social a que estamos habituados já acabou!!!